Skip to content

Cenas de uma semana passada

28/09/2011

Pois bem, pedi um afastamento do meu trabalho em Pernambuco e no início da semana passada retornei à Minas Gerais. Por causa desta decisão tive que fazer alguns sacrifícios, porém, eu não tinha outra escolha, pois eu não conseguia me concentrar em outras coisas e embora estivesse fisicamente lá, minha mente seguia focada no trabalho em Minas.

Foi uma semana bastante interessante esta que se passou…

Cena I – Recuperando os artesanatos.

Na segunda-feira, dia 19 de setembro, estive na sede da CNDDH para conversar com as advogadas que estão cuidando do caso. Para minha surpresa, encontrei com o Caverna, um artesão que havia recebido uma liminar judicial que lhe concedia o direito de receber seus trabalhos artesanais de volta. Ele me contou que chegou de manhã cedo na sede da Gerência de Regulação Urbana e que ao tentar retirar seus trabalhos foi fortemente constrangido e humilhado pelos funcionários do local. O assédio moral havia sido tão grande que ele chamou um Policial Militar e registrou um B.O. sobre o fato.

Por fim, os fiscais se recusaram a entregar seus trabalhos, argumentando que Caverna não possuía carteira de identidade, apenas um boletim de ocorrência que registrava o furto de sua identidade. O que os fiscais ignoraram foi que o auto de infração havia sido lavrado justamente sobre esse boletim de ocorrência que  Caverna portava (para quem não sabe, quando um documento é furtado, pode-se fazer um B.O. na delegacia e, enquanto não se retira uma segunda via, esse documento vale como identificação).

Depois de quase 5 horas de espera, Caverna resolveu ir a CNDDH. Quando cheguei lá, uma das advogadas estava ao telefone com um dos fiscais tentando entender o que acontecera. Os fiscais disseram que havia ocorrido um mal entendido e pediram que ele voltasse lá, pois iriam entregar os artesanatos. É incrível, mas é sempre assim com a Gerência de Regulação Urbana. Se a pessoa não luta para que a lei se cumpra, é abuso em cima de abuso…

Decidi então acompanhar Caverna e ser sua testemunha, caso o tratassem mal novamente. Chegando no local, Caverna entregou o documento para um dos fiscais, que fechou a porta e só voltou a aparecer uma hora e meia depois. Um absurdo, mas esperamos pacientemente para não darmos motivo para conflitos. Às 18:00 horas, uma hora depois do fim do expediente (sim, nos deixaram esperar fora do horário de atendimento), aparece um fiscal acompanhado do Gerente William Rodrigues, já conhecido dos que assistiram ao vídeo “A criminalização do Artista”.

Explicaram-nos que o material só poderia ser devolvido na quarta-feira, devido a um série de ações burocráticas que necessitavam empreender  e blá,blá,blá…Enfim, concordamos em retornar na quarta.

Antes de irmos embora, o Gerente William pediu que eu retirasse as imagens dele que aparecem no vídeo “A Criminalização do Artista”. Segundo ele, o vídeo o havia prejudicado e parecia ser algo pessoal contra ele.  Informei-lhe que, caso se sentisse incomodado, poderia me processar. Esclareci também que eu não tinha nenhuma questão pessoal contra ele, tampouco sabia quem era ele pessoalmente e que minha questão só tinha relação com o cargo de comando que ele exercia, enquanto Gerente da Regulação Urbana. A conversa teve alguns tons de discussão, mas não chegamos a entrar em conflito. Enfim, ofereci a ele uma entrevista, onde poderia dar a sua versão sobre os fatos. Ele pareceu bem arredio à possibilidade e disse que teria de consultar os seus superiores. Mas fica aqui registrado o fato de que eu ofereci essa possibilidade a ele.

Cena II – Fora Lacerda!

O movimento contra o atual prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, começa a ganhar corpo (foralacerda.com). Diversos segmentos da sociedade, insatisfeitos com a atual gestão, organizaram uma marcha contra o prefeito, pedindo seu impeachment.

Durante toda a semana, os artesãos distribuíram panfletos divulgando a marcha e eu contribui com um vídeo, fazendo uma das chamadas para o  evento.

Cena III – A Marcha

Contando com mais de 2000 pessoas, a marcha foi muito bem sucedida, demonstrando a resistência da sociedade ao atual modelo politico implantado e dando início ao pedido de impeachment do prefeito.

Quando passaram pela Praça Sete, os manifestantes deram voz aos artesãos. Um deles subiu no trio elétrico e saudou a marcha:

Anúncios

From → Sem categoria

One Comment
  1. Boa tarde, tenho acompanhado a algum tempo o blor, acho louvável sua luta junto ao hippies de BH! Sou amigo de um casal de hippies aqui de Sampa, na região de Santo Amaro, por ordem do sub-prefeito eles serão retirados do local de trabalho que antes ocupavam por décadas, semelhante ao que aconteceu em BH. O dia da retirada será na segunda-feira. Quero saber como anda a situação ai, porque quero ajudar eles aqui em Sampa também. Por favor entre em contato comigo seja por e-mail (gutojardim@terra.com.br) ou facebook, depois te passo meu cel para nos contatarmos melhor. Obrigado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: