Skip to content

A cobertura da mídia mineira sobre a situação dos artesãos em BH

18/07/2012

Um dos grandes avanços conquistados na afirmação da cultura dos artesãos foi uma cobertura mais equilibrada pela mídia mineira. Considerando que até um ano atrás os artesãos nem sequer eram ouvidos e as matérias jornalisticas eram completamente unilaterais, preconceituosas e carregadas de estigma, vemos que houve um grande avanço neste sentido.

Destaco dois links de matérias do ano passado feitas de forma unilateral, sem ouvir os artesãos:

Titulo: Agressividade e mau cheiro – Veiculo: Estado de Minas

Titulo: Com maconha liberada, praça Sete vira Amsterdã Mineira – Veiculo: Jornal “O Tempo”

Destaco aqui três recentes matérias feitas sobre o tema, clique no link para ver a matéria:

Titulo: Proibidos na praça Sete, artesãos cobram amparo – Veiculo: Jornal “Hoje em Dia”

Titulo: Artesãos da praça Sete temem repressão da policia – Veiculo: Jornal “Hoje em Dia”

Titulo: Hippies fazem protesto para ficar na Praça Sete – Veiculo: Estado de Minas

Hippies fazem protesto para ficar na Praça Sete

Humberto Siqueira – Estado de Minas

Publicação: 07/07/2012 06:00 Atualização: 07/07/2012 07:14

Artesão Rafael Lage comandou a manifestação contra a proibição de venda de trabalhos no Centro de BH  (Beto Magalhães/EM/D.A Press)
Artesão Rafael Lage comandou a manifestação contra a proibição de venda de trabalhos no Centro de BH

Popularmente conhecidos como hippies, embora se considerem uma reconstrução do conceito hippie justamente por terem recebido outras influências, como indígena e portuguesa, artesãos estão sendo proibidos de exporem seus trabalhos na Praça Sete, no Centro da capital, onde tradicionalmente estão presentes há várias décadas. Ontem, às 14h, os malucos, como se autoentitulam, fizeram uma manifestação na praça para esclarecer as pessoas sobre o impasse.

Rafael Lage, artesão, fotógrafo, blogueiro e um dos responsáveis pela manifestação, viajou oito anos pelo Brasil e se assustou com a forma como os hippies eram repreendidos em BH, quando retornou em 2009. “Aquilo me impactou e desde então venho registrando isso num trabalho fotográfico. Em 18 ações de repressão, fui agredido em todas. Estou exibindo algumas das fotos e a intenção, no fundo, é tentar o reconhecimento dessa cultura”, pondera.

O que ocorre ainda, segundo ele, é que com o choque de repressão, o processo de favelização se intensificou na Praça Sete. “Recolhiam inclusive as mochilas, matéria prima e ferramentas dos artesãos. A mochila é tudo o que ele tem. Então essa ação da Prefeitura de Belo Horizonte igualou o artesão com o morador de rua, deixando-o sem nada. E a partir daí, alguns realmente deixaram de trabalhar e se tornaram mendigos”, lamenta.

Rafael reconhece existir consumo de entorpecente. “O Centro tem de tudo. Tem punks, skatistas, hippies e traficantes. Os comerciantes reclamam com razão do uso de drogas, mas, pelo menos atualmente, não são os hippies. Eles não fumam aqui mais. O problema é que há pessoas que nos perguntam por maconha e os traficantes estão sempre atentos para perceber essa demanda. E, em seguida, se aproximam do usuário. São grupos grandes de menores e moradores de rua que fumam nas ruas do Centro, mas a prefeitura coloca como se estivéssemos todos no mesmo barco”, reclama.

Fiscalização

Em 30 de março, o secretário municipal de governo, Josué Valadão, assinou parecer pela legalidade das atividades exercidas pelos artesãos de rua, em vista da inexistência de vedação legal nesse sentido. Segundo a assessoria de comunicação da Regional Centro-Sul, esse documento não é válido, pois feriu o Código de Posturas, que não permite atividade não licenciada na via pública. “A fiscalização visa inibir essa irregularidade. As exceções são: pipoqueiro, engraxate, carros de lanche rápido, banca de revista e deficiente visual. A regional recebeu uma recomendação do Ministério Público cobrando maior atuação na Praça Sete e está cumprindo.

Ainda segundo a assessoria, foi oferecido aos artesãos participação em feiras, mas eles recusaram. “Somos artista de rua, nômades. Ficamos alguns dias numa cidade e depois partimos. Alguns criam raízes mais fortes, mas esse conceito de feira de barraca não nos atende. Sequer queremos uma feira. Queremos uma regulamentação, após sermos reconhecidos, que atenda à sociedade, mas não mate nossa cultura. Seria como colocar terno num índio. Que cidade é essa que tem espaço para feira hippie sem hippie e hippie sem espaço?”, questiona.

O músico Ventania (Wilson da Silva), de 49 anos, estava apoiando a manifestação. “Todos nós temos de ter um espaço. Cada um tem sua característica dentro de um mundo único. É preciso um acordo para incluir os malucos da estrada ou “hippies” como gostam de chamar, entre os autorizados a expor no espaço público”, defende. Em Brasília, por exemplo, o artesão pode pegar uma autorização de 15 dias na prefeitura, sem burocracia, que lhe permite percorrer a cidade e vender alguns de seus trabalhos.

Anúncios

From → Sem categoria

One Comment
  1. como artesã rj do início dos anos 80, fico feliz em ver que nossa classe sempre tão alienada está tomando atitudes, embora sempre proclamamos a Paz e o Amor sempre fomos muito individualistas. É hora de nos unirmos pois dentro da nossa própria classe se infiltraram especuladores que usam dessa energi par se dar bem. Precisamos de valorizar nossa cultua, somos cultura! Tenho 50 anos e 35 deles dedecados a Cultura alternativa, vivencia por esses mundos de meu Deus … O que for preciso ser feito para aprimorar nossa cultura dentro da Cultura da Paz da qual hoje levanto a Bandeira, podem contar comigo!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: